Logomarca-864x443.jpg

EQConline

Next tests : 15.09.19 - 15.11.19

Espermatozóides

Existem várias maneiras de avaliar a qualidade de um espermatozóide. Ao analisar a morfologia, a principal questão é saber o que são os espermatozóides "normais" e qual link pode existir com a fertilidade. Homens férteis, ou seja, que foram capazes de induzir uma gravidez viável e dar origem a uma criança, têm uma porcentagem de espermatozóides normais que não é consideravelmente diferente daquela encontrada para homens inférteis.

Os laboratórios que realizam testes de esperma podem usar o Manual de Laboratório da OMS (1999, 2010), os critérios rigorosos (Kruger TF et al., Fertil.Steril. 46, 1118 (1986)) ou outras classificações como guias de referência. A edição da OMS 2010 agrega o conhecimento mais avançado sobre o assunto, razão pela qual seguiremos aqui suas recomendações.

Definição de um espermatozóide normal de acordo com a OMS (2010)

Para que um espermatozóide seja considerado normal, tanto a cabeça quanto a cauda devem ser normais. Todos os formulários limítrofes devem ser considerados anormais.

  • A cabeça deve ser suave, com contornos regulares e geralmente de forma oval. Deve haver uma região acrosomal bem definida compreendendo 40-70% da área da cabeça (Menkveld et al., 2001).
  • O acrossomal A região não deve conter grandes vacúolos e não mais de duas pequenas vacúolas, que não devem ocupar mais de 20% da cabeça de esperma. A região pós-acrossomal não deve conter nenhuma vacuola.
  • A parte intermédia deve ser delgado, regular e com o mesmo comprimento que a cabeça do esperma. O maior eixo da peça intermédia deve estar alinhado com o eixo principal da cabeça do esperma. O citoplasma residual é considerado uma anomalia somente quando em excesso, ou seja, quando excede um terço do tamanho da cabeça de esperma (Mortimer e Menkveld 2001).
  • A peça principal deve ter um calibre uniforme ao longo do seu comprimento, ser mais fino do que a parte intermédia e ter aproximadamente 45 um de comprimento (cerca de 10 vezes o comprimento da cabeça). Pode ser encurralado novamente, desde que não haja ângulo afiado indicativo de uma quebra flagelar.

Tamanhos de cabeça

A cabeça ideal é oval e suave. As medidas morfométricas (comprimento, largura, elipticidade, ...) dependem da mancha utilizada (Papanicolaou, Diff-Quick). Aqui estão exemplos de dimensões publicadas por vários autores após a coloração de Papanicolaou.

Tamanhos de cabeça Katz (1986) Soler (2003) WHO (2010)
Comprimento (μm) 3.50 - 4.00 4.28 ± 0.50 4.12 ± 0.70
Largura (μm) 2.50 - 5.00 2.69 ± 0.31 2.68 ± 0.41

Parâmetros do teste EQC

O teste EQC apresentará várias respostas possíveis para a cabeça, a parte intermediária e a cauda. Você pode fazer apenas uma escolha. Embora você não seja usado para classificar as formas da cabeça na sua atividade diária, a forma da cabeça de classificação é uma maneira conveniente de comunicar as características do esperma tanto para colegas como para a equipe médica. Em nossa opinião, é um parâmetro importante para monitorar em um esquema de Controle de Qualidade Externo.

Cabeça de esperma: tamanho e forma

Várias formas e tamanhos de cabeças foram descritas pelo WHO (1999, 2010).

Parâmetros Aspectos morfológicos
Normal forma oval regular
Macrocefálica a cabeça está claramente acima do normal
Microcefálico a cabeça está presente mas claramente menor do que o tamanho normal
Alongada a cabeça tem a forma de um charuto
Piriforme a cabeça tem a forma de uma pera
Amorfo a cabeça tem leve a desvio forte da forma oval
Duplo duas cabeças anexadas a um ou dois centímetros e caudas
Pino A cabeça está ausente, mas as células estão vivas e geralmente se movem
Volta a cabeça é perfeitamente esférica e nenhum acrosoma está presente

 

 

 

 

 

 

 

 

Presença de vacúolas

A presença de 1-2 vacúolos na cabeça de esperma pode ser considerada como normal. Mais de 2, deve ser considerado como anormal, de acordo com os critérios rigorosos.

Tamanho do acrossoma

A região acrossomal deve ser bem definida e estar compreendendo 40-70% da área da cabeça.

Peça intermediária

A parte intermédia deve ser delgada (<1 um de espessura) e cerca de 1,5 vezes o comprimento da cabeça. A gota citoplasmática deve ser inferior a metade da largura da cabeça.

Parâmetros Aspecto morfológico
Angulada angulação da peça intermédia em relação ao eixo da cabeça
Assimétrico inserção assimétrica da parte intermédia na cabeça
Grosso ou parte intermédia irregular
Fino parte intermédia anormalmente fina (ausência de bainha mitocondrial)
Gota citoplasmática remanescente citoplasmático maior do que a metade da largura da cabeça

Rabo

A cauda deve ser reta, uniforme, mais fina do que a parte intermediária, desenrolada e com cerca de 45 um de comprimento. Os defeitos da cauda são apresentados abaixo.

Parâmetros Aspecto morfológico
Cauda curta ou incompletamente formada O comprimento normal da cauda é de cerca de 40-50 μm.
Múltiplo Uma única cabeça pode estar associada a várias caudas
Largura irregular Este parâmetro pode estar associado com efeitos osmóticos ou artefatos de coloração
Curvado Dependendo do flagelo do esfregaço pode ser curvo, indicando movimento do esperma durante o procedimento de fixação, ou permaneça reto
Enrolado Podem ocorrer várias formas de enrolamento, tanto durante a maturação do esperma quanto após a coleta de esperma (efeitos osmóticos)

 

Bibliografia

  1. Katz, D.F., Overstreet, J.W., Samuels, S.J., Niswander, P.W., Bloom, T.D., Lewis, E.L. (1986) Morphometric analysis of spermatozoa in the assessment of human male fertility. Journal of Andrology, 7, 203-212. Kruger, T.F., Franken, D.F. Atlas of Human Sperm Morphology Evaluation. Francis & Talor. A Parthenon Book, ISBN 1842142771
  2. Kruger, T.F., Franken, D.F. Atlas of Human Sperm Morphology Evaluation. Francis & Talor. A Parthenon Book, ISBN 1842142771
  3. Soler, C., De Montserrat, J.J., Gutiérrez, R., Nunez, J., Nunez, M., Sancho, M., Pérez-Sanchez, F., Cooper, T.G. (2003) Use of the Sperm-Class Analyser for objective assessment of human sperm morphology. International Journal of Andrology, 26, 262-270
  4. Faber (2007)
  5. Kruger TF, Menkveld R, Stander FS, Lombard CJ, Van der Merwe JP, van Zyl JA, Smith K. 1986. Sperm morphologic features as a prognostic factor in vitro fertilization. Fertil Steril 46: 1118-1123.
  6. Menkveld R, Wong WY, Lombard CJ, Wetzels AM, Thomas CM, Merkus HM, Steegers-Theunissen RP. 2001. Semen parameters, including WHO and strict criteria morphology, in a fertile and subfertile population: an effort towards standardization of in-vivo thresholds. Human Reproduction 16: 1165-1171.
  7. Mortimer D, Menkveld R. 2001. Sperm morphology assessment–historical perspectives and current opinions. Journal of Andrology 22: 192-205.
  8. WHO. 1999, 2010. WHO Laboratory Manual for the Examination of Human Semen and Sperm-Cervical Mucus Interaction. Cambridge: Cambridge University Press.